“JAMAIS HAVERÁ TAL COISA COMO O HABEAS MENTEM”

Eu devia ter uns 18 ou 19 anos, quando minha namorada na época me emprestou os livros “Admirável Mundo Novo” e “Regresso ao Admirável Mundo Novo” de Aldous Huxley. Desde o início a visão do futuro do autor no primeiro livro me impressionou fortemente, em especial com a ideia do pré-condicionamento psicológico para que homens e mulheres pudessem viver segundo as leis e regras impostas. Além desta, várias outras ideias e conceitos chamaram minha atenção, me levando a refletir mais profundamente em assuntos, por assim dizer, espinhosos, como a noção de família, o uso de drogas dentre outros.

ALDOUS HUXLEY

Recomendo!

No entanto, o conceito que mais me marcou e realmente mexeu comigo foi a ideia de que existe uma prisão ainda pior que a pior das prisões que exista ou se possa imaginar. Essa seria uma prisão para nossa mente, nossa consciência, uma prisão para nosso espírito. E essa prisão é tão terrível, porque, numa prisão literal, numa prisão física, podemos ver as grades que nos prendem. Sabemos que estamos prisioneiros. Nesse caso existe a possibilidade do pedido de um livramento, através do conceito legal de um habeas corpus por meio do qual um indivíduo pode requerer sua liberdade. Já numa prisão para nossa mente ou espírito tal possibilidade é inexistente “pois jamais haverá tal coisa como o habeas mentem”.

Tal impossibilidade ocorre pelo simples fato de que não temos consciência de nossa condição prisioneira. Aquele que se encontra nessa situação não consegue perceber as grades que o prendem, as paredes que limitam seu entendimento. Nessa situação, ficamos impossibilitados de pleitear qualquer tentativa de liberdade, pois já nos julgamos livres. Como podemos pleitear algo que julgamos já possuir?

Isso te lembra algo?

Isso te lembra algo?

Para mim o conhecimento e a reflexão sobre os conhecimentos que adquirimos podem fornecer uma esperança. A sede de conhecer, de aprender cada vez mais é o que nos possibilita ver as paredes e grades da prisão para nossas mentes e espíritos. Numa outra obra de 1954, Huxley usa uma citação do poeta inglês William Blake no título de sua obra “As Portas da Percepção”. A citação é do livro “O Casamento do Céu e do Inferno” de 1794 e diz: “Se as portas da percepção estivessem limpas, tudo apareceria para o homem tal como é: infinito”.

A obra de Huxley narra suas experiências alucinatórias ao usar mescalina como uma forma de burlar os filtros que nublam nossa percepção da realidade. Já a obra de Blake tem um teor mais espiritual, uma crítica a visão dualista imposta por boa parte das religiões – em particular a anglicana – mas também é uma afirmação na crença do poder das sensações inerentes ao seres humanos na ampliação de seu entendimento.

Fugindo um pouco das experiências de Huxley e da espiritualidade de Blake, tenho na minha capacidade de aprender e refletir sobre o que aprendo a minha maneira de limpar as portas da minha percepção. É assim que procuro perceber as grades, paredes e portas que prendem meu espírito. Minha maneira particular de requerer meu Habeas Mentem.

Eis o motivo do nome do presente blog. Um blog que nasce com a ideia de partilhar conhecimento, informações e opiniões. Falar sobre assuntos dos quais eu goste e tenha algum conhecimento. Ah, e ouvir a sua opinião também, afinal não sou o dono da verdade! Mas lembre: antes de comentar leia nossa Política de Comentários!

Sua opinião (educada) é sempre bem vinda!

Sua opinião (educada) é sempre bem vinda!

A ideia do blog surgiu há mais de um ano atrás, incentivado por duas colegas, a Izabela e a Vê Mendonça (dona do blog Fora do Ar). A princípio resisti. Tem muito tempo que não escrevo (apesar de adorar) e a ideia de escrever para um blog me assustava. Muita gente (potencialmente falando claro) lendo, comentando, opinando. Mas não abandonei a ideia. Pelo contrário, a guardei com carinho e a amadureci.

Nesse meio tempo entrou em ação a Lady Sybylla, uma paulistana geógrafa que nem eu e dona de um blog que adoro, o Momentum Saga. As constantes leituras dos textos da Sybylla começaram a me inspirar aos poucos. A necessidade de escrever, que há tanto tempo estava apagada, voltava com força total.

É por isso que nessa minha primeira postagem, gostaria de agradecer imensamente a essas três amigas: Izabela, Vê Mendonça e Lady Sybylla! O Habeas Mentem existe graças a vocês! E a vocês dedico esse pequeno texto! Espero que gostem!

Que possamos juntos abrir as grades da percepção, para que tudo apareça como realmente é: Infinito!

Sintam-se todos muito bem-vindos ao HABEAS MENTEM!

Anúncios

6 comentários sobre ““JAMAIS HAVERÁ TAL COISA COMO O HABEAS MENTEM”

  1. Pingback: DOIS ANOS DE HABEAS MENTEM | habeas mentem

  2. Pingback: 13 DE JULHO – DIA MUNDIAL DO ROCK E OS 100 MELHORES DISCOS DE ROCK DA HISTÓRIA | habeas mentem

  3. Opa, acabei de ver o texto da Meteorolopole e de cara ja gostei do seu blog. Eu nem sabia que havia uma continuação do livro admirável mundo novo. O primeiro livro também me impressionou bastante. Mas mudando de assunto, eu sempre fico feliz quando vejo alguém fazendo algo para melhorar o mundo. Eu sempre refleti muito sobre tudo, mas foi so ultimamente que eu realmente percebi a extensão do meu privilegio e não pude mais ficar parado sendo um espectador. Eu tive que fazer algo, e foi assim que a Samantha e eu (amigos de faculdade) criamos um blog tambem chamado Discurso Retorico. Aqui tem um post que eh pertinente com essa historia de liberdade e persepcao, o video eh muito bom. Abraco e sucesso! http://www.discursoretorico.com.br/2014/03/a-liberdade-segundo-bombardi.html

    • Obrigado Rodrigo pelo comentário. Fiquei imensamente feliz com a postagem da Samantha no Meteorópole que é um Blog que adoro. Fique a vontade pra comentar sempre.
      Quanto ao “Regresso ao Admirável Mundo Novo” esse livro não é bem uma continuação, mas sim uma análise de Huxley sobre seu livro, explorando os conceitos e ideias que ele desenvolveu no “Admirável Mundo Novo”. É um livro excelente e que nos ajuda muito no entendimento da obra. Foi especificamente desse segundo livro que retirei a ideia do Habeas Mentem, conceito esse que me fascinou de imediato.
      Vou com certeza dar uma olhada no Discurso Retórico! Com certeza deve ser material de primeira!
      Abraços

  4. Ah Meu querido Beto…. sempre soube do escritor que havia escondido ai nessa mente brilhante. Me sinto Honrada por ter contribuído com uma pequena parte da realização deste projeto! Escreva meu amigo escreva muito, a escrita nos leva a lugares inimagináveis! Muito orgulhosa e emocionada!
    Abraços…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s