91-DOG MAN STAR

Suede Dog Man Star

Dog Man Star – Suede

Banda: Suede

Integrantes: Brett Anderson (vocais), Bernard Butler (guitarras), Simon Gilbert (bateria) e Mat Osman (contrabaixo).

Gravação: 22 Março a 26 Julho de 1994 no Master Rock Studios em Londres

Lançamento: 10 de Outubro de 1994

Duração: 57m50s

Produção: Ed Buller

Sobre o disco:

Em meados dos anos 90 o que fazia a cabeça da garotada que curtia rock era o movimento grunge. Isso nos EUA, pois do outro lado do Atlântico, nas terras de Sua Majestade, o sucesso atendia pelo nome de Britpop. Pulp, The Verve, Supergrass, Elastica, Sleeper, Blur e Oasis faziam um contraponto, em teoria, mais cabeça ao som que vinha da antiga colônia.

Sob a inspiração de bandas do quilate de The Smiths e, um pouco mais indiretamente, do glam rock de David Bowie, o Suede se destacava das demais graças as letras dúbias (de onde se origina o nome da banda, uma gíria londrina para dúbio) e um tanto ácidas do também vocalista Brett Anderson e da qualidade do guitarrista Bernard Butler, os grandes destaques e fundadores da banda. Depois de vários singles e de uma estreia de sucesso a mídia britânica exaltava o grupo e alçava Brett Anderson ao cargo de “salvador do orgulho britânico” frente à invasão do grunge.

007 001

Todo esse sucesso e aceitação da crítica no entanto não livraram o Suede de enfrentar uma dura crise interna. Apesar de serem os fundadores da banda, Anderson e Butler não se entendiam, brigando e discutindo constantemente. Para completar os excessos com drogas e a polêmica ao redor do clip do single avulso “Stay Together” elevou as tensões ao máximo. Ao mesmo tempo que o britpop estourava revelando Oasis, Blur e outros, o Suede parecia fadado ao fim.

Com tudo isso em mente, Anderson se trancou numa mansão de onde só saiu após o consumo intenso de drogas e ter escrito todas as letras do álbum que viria a se tornar Dog Man Star. Renegando veementemente os títulos de salvador do que quer fosse atribuído pela mídia, o letrista deixou transparecer esse inconformismo nas letras ambientadas justamente no, digamos assim, território “inimigo”: os EUA, mais precisamente a Hollywood entre os anos 40 e 50. Glamour, decadência, cinismo, temas sombrios, tudo encaixado a perfeição nas letras dúbias.

Infelizmente toda qualidade e beleza soturna do material não impediu que as rusgas entre Anderson e Butler continuassem e mesmo se intensificassem quando a banda se reuniu para as gravações. Com pouco mais de um mês de gravações Butler não aguentou e saiu do grupo deixando a canção “The Power” inacabada, levando Anderson a gravar a guitarra nessa canção, embora os créditos de todas as guitarras do disco sejam dados a Butler.

A saída prematura de Butler não impediu um trabalho inspirado, entregando algumas das guitarras mais lindas não só do grupo, como de, provavelmente, todo o britpop, fazendo jus ao título de melhor guitarrista britânico desde Johhny Marr, também dado pela mídia britânica. O casamento entre o instrumental – com Gilbert e Osman fazendo bonito frente aos colegas mais talentosos – e as letras carregadas de androginia, cinismo, sarcasmo e ambiguidade seria ainda abrilhantado pelos lindos e competentes vocais de Anderson fazendo de Dog Man Star se não um dos melhores, muito provavelmente o mais interessante do movimento. Isso mesmo a despeito do desprezo de Anderson para com toda a vibe da mídia com o britpop.

maxresdefault

Assim que foi lançado a mídia especializada como era de se esperar rasgou elogios para o trabalho. Mas verdade seja dita, nada do que foi dito sobre esse disco foi exagerado ou imerecido. Trabalho primoroso cheio de belíssimas canções que entregam a perfeição todo um clima lúgubre, decadente e introspectivo, cheio de melancólicas reflexões a respeito das inquietações de Anderson, alcançando o ápice em “The Asphalt World”, um dos mais lindos e comoventes do disco.

Mas, se a crítica amou, o mesmo não aconteceu com o público que, ainda tendo em mente o álbum de estreia, estranhou a atmosfera sombria do disco dando a ele uma recepção morna, se comparada ao anterior. Mesmo assim teve uma vendagem razoável e hoje é indiscutivelmente considerado uma pequena obra-prima.

Com Dog Man Star, o Suede, esses filhos não tão bastardos de David Bowie e de Morrissey e seu The Smiths, conseguiu a proeza de reverenciar suas influências e ainda assim fazer um som próprio com identidade. São um ótimo contraponto aos irmãos Gallagher do Oasis no que se refere ao cenário do britpop. Um álbum sólido, com qualidade inquestionável e ótima sonoridade, definitivamente o melhor do Suede.

A seguir você pode conferir a minha música preferida do álbum:

Para conferir os outros textos da série é só clicar no link a seguir: 100 Melhores Álbuns de Rock. E se você curtiu o post e tá gostando do Habeas Mentem, comente, curta, compartilhe! E não deixe de curtir também nossa fanpage! Até mais!

Anúncios

A VOLTA PARA CASA: CONSIDERAÇÕES SOBRE STAR TREK E DISCOVERY

startrekdiscoverycap2

Já tem algum tempo estreou a tão aguardada nova série da franquia Jornada nas Estrelas (Star Trek no original em inglês). E a recepção dos fãs foi – para se dizer o mínimo –, polêmica. Na tentativa de entender a divisão causada, com alguns fãs amando e outro odiando, faço aqui uma breve consideração sobre a franquia  e da nova série tendo por base os episódios lançados até o momento. E para quem não assistiu aos episódios já exibidos pode ler tranquilo que esse é um texto livre de spoilers.

Costumo encarar cada nova série ou filme da franquia, como um volta para casa. Um retorno para aquela específica porção do espaço da qual guardamos um sentimento de afeto e carinho especial, em geral por ter sido onde crescemos, onde fomos criados. Em suma, um cantinho cheio de lembranças e significados, de onde guardamos certo carinho e afetividade em virtude de sua relação com nossas vivências. Na Geografia esse é, grosso modo, o conceito de Lugar, uma das categorias de análise básicas usadas por essa ciência em seus estudos.

A cada novo filme ou série da franquia que assisto a sensação é a de voltar a esse hipotético lar após terem se passado vários anos. Quem já passou pela experiência entende a sensação. Apesar do local não ser mais exatamente o mesmo que conhecemos – afinal pode ser que o piso tenha sido trocado, as portas, janelas e algumas paredes tenham sido pintadas (ou mesmo derrubadas e fechadas com novas paredes levantadas ou portas e janelas abertas), – ainda assim reconhecemos ali o lugar onde passamos tantos momentos e lembranças marcantes. Alguns deles muito bons, outros nem tanto.

The Next Generation

A tripulação de A Nova Geração que gerou um intenso debate entre os fãs que afirmavam que a série não era Star Trek de verdade

Foi assim quando assisti pela primeira vez A Nova Geração. Embora diferente em vários aspectos, ainda era Jornada nas Estrelas. Mudanças estéticas e algumas estruturais foram feitas. Não apenas o visual das naves e uniformes está diferente, mas o próprio modo de contar as histórias também precisava ser diferente. Nem tanto na primeira e segunda temporada, ainda emulando a estética narrativa da Série Clássica, mas, a partir da terceira temporada cada vez mais distintas de sua predecessora. Mas, apesar dessas paredes pintadas e de alguns cômodos modificados (e de todo o choro dos fãs mais xiitas). Apesar de diferente, aquele ainda era um universo capaz de evocar todo o excelente material clássico, sem deixar de imprimir sua própria identidade. Esse processo, aliás, foi essencial em ampliar o background da franquia. Algo como se, ao voltarmos para a casa, percebêssemos que a reforma não só mudou alguns cômodos, mas também acrescentou outros tantos, valorizando-a.

E também foi assim a cada novo produto da franquia, filme ou série: a sensação era sempre esse mesmo misto de estranhamento e reencontro. Deep Space Nine, Voyager, Enterprise. Em graus diferentes, numas mais e noutras menos, conseguíamos nos identificar e identificar os elementos que dão alma e personalidade à franquia ainda que novos elementos fossem agregados.

tvs685aa-star-trek-voyager-crew

Voyager e sua tripulação eclética. Nenhuma outra série de Star Trek (até agora) ousou tanto em diversidade.

Tudo isso mudou com a chegada do aclamado reboot feito por J. J. Abrams. Se por um lado a atualização estética das naves, uniformes e demais apetrechos – num esforço consciente de deixá-los mais realistas – foi, de certa maneira, bem-vinda, o mesmo não se pode dizer da decisão de fazer um filme mais voltado para a ação genérica, deixando de lado os questionamentos filosóficos e/ou sociais. Embora a história tenha arranhado alguns desses questionamentos (as mudanças causadas na linha temporal devido a uma viagem no tempo, que, apesar de batida, quando bem executada rende boas histórias) o grande foco no filme foi de fato a ação e a aventura, aspectos esses que sempre estiveram ligados à franquia, é verdade, mas nunca antes como o destaque principal. Isso causou uma grande estranheza em boa parte dos fãs. De repente aquele lugar antes tão nosso, já não era mais assim tão familiar.

Vejam bem, não estou dizendo que o reboot de Abrams tenha sido um filme ruim. Ele funcionou enquanto um típico blockbuster genérico de ação, com muita correria e porrada, cada vez mais comuns por aí. Salvo alguns buracos no enredo, uma ou outra decisão equivocada (lens flare, alguém?) e uma atuação controversa (Simon Pegg estou falando contigo), Star Trek, foi um bom filme, dos melhores do ano de 2009, com uma direção e edição adequadas, além da boa atuação por boa parte do elenco – com destaque inegável para o Dr. McCoy de Karl Urban, uma das poucas unanimidades do filme. Mas, apesar de ser um bom filme, cumprindo com bastante louvor o objetivo de trazer novo folego e, principalmente, novos fãs consumidores para a franquia, não há como negar que, de algum modo, esse não é bem, bem um filme de Jornada nas Estrelas, daí o estranhamento por parte do fandom. Um estranhamento que só fez se aprofundar com o equivocado Star Trek Além da Escuridão de 2013 e o esforçado Star Trek Sem Fronteiras de 2016.

Reboot

Star Trek de 2009: o Reboot que desagradou os fãs, porém serviu de porta de entrada para toda uma nova geração de fãs

O anúncio de que uma nova série estava nos planos da CBS deixou novamente os fãs na expectativa, apesar de um tanto temerosos, conforme relatei nesse texto. E o temor só fez aumentar a cada nova informação. Colocar a trama da nova série se passando cronologicamente após Enterprise, mas antes da Série Clássica e o conceito visual muito mais próximo dos reboots que de qualquer outra série ou filme foram alguns dos principais motivos de polêmica entre os fãs. Mesmo com algumas novidades muito bem-vindas (a exemplo do elenco cheio de medalhões como Michelle Yeoh de O Tigre e o Dragão, Jason Isaacs da série Harry Potter, sem falar da quase novata, mas igualmente talentosa, Sonequa Martin-Green de The Walking Dead), o temor de que a série fosse uma continuação do reboot de Abrams, ou seguisse sua linha mais direcionada para a ação e menos para a reflexão, só fez crescer entre os fãs mais antigos.

A polêmica se acirrou com o lançamento do aguardado trailer da série. Apesar da belíssima produção, o tom altamente bélico apresentado além do já citado conceito visual remetendo muito mais para o Abramsverso, só serviram para reforçar o sentimento de estranheza de muitos fãs. Ainda mais quando se notou nas rápidas cenas uma tecnologia muito mais avançada do que a mostrada, não somente na Série Clássica, como em qualquer outra série ou filme da franquia, com a óbvia exceção do reboot. Mesmo com alguns fãs esperando a estreia para poder emitir uma opinião mais concreta, para uma parcela significativa do fandom, a volta ao lar já não parecia tão excitante assim.

Enterprise

A tripulação de Enterprise, o ponto fora da curva na franquia: muito potencial o qual sequer foi arranhado

Por fim a nova série estreou no dia 24 de setembro com os episódios “The Vulcan Hello” e “Battle At The Binary Stars” através do novo serviço de streaming da CBS, sendo liberada no dia seguinte pela Netflix. A estreia, conforme já mencionado, foi polêmica.

De maneira geral, as opiniões não foram muito diferentes do que já vinha sendo exposto anteriormente. Muitas reclamações a respeito da estética, da tecnologia apresentada ser anacronicamente muito mais avançada do que mostrada em outras séries (não apenas a Clássica) etc. Por outro lado, esses mesmos aspectos foram muito bem aceitos por uma parcela dos fãs menos apegadas aos ditames do chamado cânone, sendo que boa parte deles não é formada pelos fãs mais novos, os que conheceram a franquia através dos filmes do Reboot. Muitos fãs mais antigos, por assim dizer, abraçaram a nova série não apenas por se sentirem órfãos após quase uma década de Jornada fora da TV, mas principalmente por reconhecerem um esforço de toda a equipe de Discovery em entregar um produto de qualidade, nos moldes do que há de melhor sendo feito na TV norte-americana atualmente. O mix direção ágil e moderna aliada aos roteiros inteligentes e dinâmicos estão entre as características mais interessantes da nova série, embora tenhamos outro aspecto importante a se destacar: a dinâmica e tridimensionalidade dos personagens já em seus primeiros momentos (algo que em geral era uma falha nos primeiros episódios das séries anteriores, onde os personagens iam ganhando mais e mais camadas no decorrer dos episódios).

Deep Space Nine

Deep Space Nine: arcos de histórias e tons mais sombrios aspectos elogiados da série e curiosamente não tão admirados em Discovery (até agora)

Particularmente eu destaco como principal ponto positivo de Star Trek Discovery a coragem de quebrar paradigmas estabelecidos anteriormente, em especial na série clássica, inclusive aprofundando o tom mais sombrio explorado com mais força apenas em Deep Space Nine (curiosamente uma das séries mais elogiadas por muitos fãs, justo por flertar com esses tons em seus episódios). Com sua releitura mais moderna, não apenas nos moldes de produção, mas também de exibição, ao abraçar o sistema de streaming, mas sem deixar de lado elementos tão característicos e que fizeram e fazem a cabeça dos fãs de ontem e de hoje, Discovery vem se mostrando uma grata surpresa. Assim como suas antecessoras ela causa um certo estranhamento a primeira vista, mas também um inevitável fascínio. E a medida que os novos episódios vão sendo exibidos, cada vez mais aquela sensação de volta para casa vai se fortalecendo e, aos poucos, criando em nós aqueles sentimento de afeto e carinho especial, através dos novos momentos de encantamento, raiva, beleza, decepção.

*  *  *

Se você curtiu o post e tá gostando do Habeas Mentem, não deixe de curtir também nossa fanpage! Até mais!

O DIA EM QUE A TERRA PAROU

Atentados de 11 de setembro

Os gigantes em chamas em imagem de Gulnara Samoilova da Associated Press

Era assim que as coisas aconteciam,

Era assim que eu via tudo acontecer

Nenhum de Nós

O dia começou como qualquer outro. Nada nele parecia indicar nada de diferente ou especial. Talvez um pouco mais quente que o normal. Mas isso poderia muito bem ser impressão minha. Na verdade, de estranho mesmo, só a hora em que acordei. Não era nem oito horas da manhã e eu já estava de pé. Evento raro em minha adolescência, aquela noite dormi pesadamente, sem a insônia comum de quase todas as noites desde a sexta série.

Terminava o café da manhã, quando uma voz conhecida me chamou do portão. Reconheci imediatamente como sendo de minha amiga de escola, Dani. Estava com outra amiga, Lúcia, me chamando para irmos ao instituto onde ela conseguira se matricular em um curso profissionalizante. Apressava-me para sair com elas para providenciar fotocópias de minha documentação. Apesar de me contar tudo meio atropeladamente, logo entendi que ela conseguira mais duas vagas, uma para Lúcia, a outra para mim.

Sendo alunos de escola pública, tínhamos poucas perspectivas de conseguir trabalho quando terminássemos o ensino médio dali a poucos meses. Essa era, portanto, uma oportunidade realmente excelente de qualificação profissional. Não podíamos perder a oportunidade.

Rapidamente me troquei, catei todos os documentos necessários para a matrícula e corri para uma fotocopiadora ali perto. Enquanto isso Lúcia ia até sua casa com Dani para fazer o mesmo. Na fotocopiadora enquanto aguardava pus a atenção por acaso numa pequena TV no canto da parede. Na imagem chuviscada consegui vislumbrar um edifício enorme com uma grossa coluna de fumaça ganhando o céu. Na hora pensei: que canal de televisão passa um filme de ação a essa hora da manhã?

Em chamas

E assim se iniciou o longo dia de 11 de Setembro de 2001

Voltei para casa onde esperaria Dani e Lúcia. Para minha surpresa, minha mãe tinha parado os afazeres domésticos e estava concentrada vendo a TV. Na hora soube que algo importante acontecera ou estava acontecendo. Pouco afeita à TV, ainda mais pela manhã, minha mãe parava pra dar atenção ao aparelho somente no caso de alguma notícia muito séria. Nem tive tempo de perguntar se era o caso. Olhos na tela, ela me perguntou se eu tinha visto o que acabara de acontecer: um avião, provavelmente um pequeno jato, teria se chocado com uma das torres do World Trade Center em Nova York.

Um avião? Na mesma hora aquilo me pareceu um absurdo. Sendo um garoto aficionado por aviação, eu tinha uma vaga noção de que aviões não podiam voar tão baixo assim naquela área. Mas lá estava o prédio parcialmente em chamas com as noticias confirmando o acontecido. Eu estava com o pensamento nisso quando o impensável aconteceu bem diante dos nossos olhos: um enorme Boeing cruzou a tela rapidamente atingindo uma das torres.

Houve um daqueles instantes de silêncio que parecem congelar o tempo. Os vinte ou trinta segundos logo após o choque pareceu se dilatar em um infinito, como se alguém tivesse pegado aquela fatia de tempo e a esticado indefinidamente. Nem sons, nem imagens, nem ações. Apenas aquela sensação estranha de ter parado no tempo ao mesmo tempo em que ele fluía fora do seu ritmo. Finalmente minha mãe apontou o dedo firmemente para a televisão, os olhos assustados e perguntou: “Você viu isso?!”

Só então tudo voltou ao ritmo normal. A pergunta ficou no ar sem resposta. Meu cérebro estava tentando processar tudo aquilo. Alguém filmara o choque do avião e a televisão estava mostrando o momento? Essa era a única explicação possível. Mas então, por que o avião atingiu uma torre QUANDO JÁ HAVIA MUITA FUMAÇA SAÍNDO DA OUTRA?

Globo-11 de setembro

O exato momento do segundo ataque ao vivo

A confusão não era só minha. O jornalista que noticiava o fato também chegou a alegar que aquela era uma repetição do momento exato do choque. Então a imagem foi exibida novamente. E já não existia mais dúvida: por mais louco que pudesse parecer no momento o fato era que um segundo avião atingira a outra torre do World Trade Center! Perceptivelmente tão surpreso quanto qualquer pessoa no mundo vendo aquela cena, o jornalista entendeu o que se passava ao ser um dos primeiros a falar a palavra que, ainda não sabíamos, seríamos obrigados a nos acostumar: Terrorismo!

O resto da manhã transcorreu como se estivéssemos numa outra realidade. Aquela sensação de alongamento do tempo cedeu espaço a uma febril percepção das coisas. Quando Dani e Lúcia voltaram, a televisão já reprisara o momento do impacto pela enésima vez. Elas já sabiam do acontecido. Dani estava tão assustada quanto eu ou minha mãe, mas Lúcia não parava de dar risadinhas nervosas, mesmo quando a TV mostrava cenas das pessoas se jogando do topo dos prédios em chamas. Somente anos depois fui entender plenamente que, de todos nós, Lúcia era a mais nervosa e assustada. Na realidade ela estava apavorada e aquela era a sua maneira de expressar esse sentimento.

Richard-Drew-Falling-Man-WTC

The Falling Man em imagem de Richard Drew

Saímos rapidamente para resolver as questões referentes ao curso e depois voltamos cada qual para sua casa. Ainda precisávamos nos arrumar para ir a escola. A tensão nas ruas já era perceptível. Todos estavam com ar sobrecarregado, como se uma nuvem tivesse encoberto o semblante de cada um, apesar do dia ensolarado. Onde houvesse uma televisão, que naquela altura dos acontecimentos já transmitia o ataque em todos os canais, duas ou três pessoas estavam reunidas assistindo. Braços cruzados sob o peito, vez ou outra apontando algo na direção da tela. Se apreensão fosse algo tangível, ela com certeza estaria esmagando a todos naquele momento.

Em casa minha mãe tinha novas notícias. Outro avião atingira o Pentágono, destruindo parte do edifício, enquanto outro aparentemente caíra em algum lugar ermo na Pensilvânia e ainda havia a suspeita de que um terceiro estava, naquele momento, se dirigindo para atingir a Casa Branca. Apesar de todo tipo de boato e especulação fatalista ter começado a ser veiculada em todo lugar – de ataques com carros bombas até a possibilidade de um ataque nuclear –, apenas os relatos envolvendo os aviões estavam confirmados. O que começara com a suspeita de um terrível e lamentável acidente, tornara-se um ataque de proporções megalomaníacas à maior potência econômica e militar do planeta. Comecei a pensar nas repercussões daquele ataque e no que ainda estava por vir.

Associated Press photos

Sobreviventes coberto de cinza do desabamento das torres em imagem da Associated Press

A resposta à segunda questão não tardou a vir. Em meio ao pânico generalizado nos EUA instaurado pelos ataques havia espaço para mais: as dez horas gritei para minha mãe: “Caiu! Corre aqui! A torre caiu!” Da cozinha minha mãe veio para sala perguntando o que acontecera. Atropeladamente expliquei que, enquanto mostravam o incêndio do Pentágono, a imagem cortou para as torres com uma imensa nuvem de fumaça lentamente se formando ao mesmo tempo em que a correspondente confirmava o desabamento da segunda torre a ser atingida. Meia hora depois era a vez da primeira torre atingida desabar, a TV mostrou um close do topo coberto por fumaça negra, quando ela começou a desabar diante dos nossos olhos. Em pouco menos de duas horas as mais inacreditáveis cenas jamais imaginadas tornaram-se reais de modo assombroso.

Não se falou em outra coisa durante todo o dia. A caminho do colégio, no ônibus anormalmente vazio, pude presenciar as pessoas se acumulando na frente das TVs que continuavam as intermináveis reprises dos impactos, dos desabamentos e das pessoas cobertas pelo pó cinza e espesso que cobrira a todos. Quem assistia não falava, nem parecia reagir às imagens. À noite minha mãe contaria que, no hipermercado onde ela trabalhava na sessão de confecções, as pessoas também acompanhavam as notícias em frente aos televisores e mesmo dos aparelhos de rádio. Ela concordou comigo que as pessoas pareciam letárgicas.

Vancouver Sun-11 de setembro na tv

O mundo acompanha assustado o ataque em imagem do Vancouver Sun

Não houve aulas nesse dia. A professora Adalgisa de Biologia nos encaminhou para a sala de vídeo onde diretoria e outros professores junto a vários alunos acompanhavam o noticiário ininterrupto. Um casal de amigos, Tiago e Dalva, me chamaram para sentar do lado deles. Passamos a tarde debatendo o acontecido e tentando imaginar o que poderíamos esperar dali por diante. Taciturno, Tiago resumiu seu pensamento em única e tranquila palavra: “Guerra!”

Eu estava no meu terceiro ano de estudo naquela escola e aqueles tinham sido, até então, o mais especiais de minha vida. Um medo terrível de que tudo aquilo acabasse em meio a um conflito cuja extensão e alcance eu desconhecia me atingiu como um soco. Pensei em tudo o que poderia perder. Eu me sentia de repente como um jovem nos meses finais de 1939 temendo ante as notícias daquilo que viria a se tornar a Segunda Guerra Mundial.

Tati, uma amiga de quem eu particularmente gostava muito e era muito próximo, olhou diretamente para mim: “Minha gente que exagero! Vai ficar tudo na mesma!” Ainda hoje não entendo se foi uma tentativa de me confortar, ao perceber meu desconforto, ou se ela estava tentando convencer a si mesmo. Mas conhecendo Tati, o mais provável é que ela não estivesse inteiramente ciente da magnitude da realidade que assistíamos.

MANHATTAN

A estátua da Liberdade parece observar uma Nova York coberta pela poeira da queda das torres gêmeas em imagem de Dan Loh da Associated Press

A noite eu tinha cursinho pré-vestibular. Também ali as aulas ficaram meio em suspenso. Naquele momento, embora ainda cobertos de muitas conjecturas, já tínhamos algumas notícias concretas. Já sabiamos que a Al’Qaeda, sob o comando de Osama Bin Laden, fora a organização terrorista responsável pelo ataque e que eles se escondia no distante Afeganistão onde eram protegidos do Talibã, grupo religioso radical que comandava o país. Na entrada do cursinho conversava com os colegas sobre os acontecidos num misto de comentários carregados de preocupação com piadinhas e brincadeiras. Uma tentativa meio falha de relaxar. Calamos quando o professor de História, chegou trazendo as últimas notícias num tom alarmista: “Está confirmado: Os Estados Unidos atacaram o Afeganistão! E eles já avisaram que vão retaliar!”

Gelamos no ato. Hoje, justamente por conta dos atentados, conhecemos bem a realidade do Afeganistão, mas naquela época não sabíamos de fato nada sobre o Afeganistão, portanto não sabíamos o que esperar daquela ameaça de retaliação. Voltei para casa extremamente abatido.

Felizmente as informações do professor de História eram notícias equivocadas. Mesmo assim não foi o suficiente para tirar aquela sensação ruim. Uma sensação de que aquele dia, o dia em que a Terra parou para ver um gigante se dobrar nos próprios joelhos diante dos duros golpes recebidos, esse dia não terminaria tão cedo.

Alex Fuchs-AFP

Os escombros do que um dia foram as imponentes torres gêmeas do World Trade Center em imagem de Alex Fuchs da Agence France-Presse

*   *   *

Essa é uma postagem especial não apenas pela data de aniversário do Ataque do 11 de Setembro, mas porque é a primeira de uma série sobre minhas lembranças no período do meu ensino médio, em especial em 2001. Com o texto procurei relembrar aquele fatídico dia e minhas impressões e sentimentos, pautando-o principalmente nas minhas lembranças. E não: Dragon Ball Z não foi interrompido pelo Plantão da Globo!

E você? Onde estava naquele 11 de setembro de 16 anos atrás? Comenta aí e também curta e compartilhe. E não deixe de curtir também nossa fanpage!

Até mais!

OS 40 ANOS DO PROGRAMA VOYAGER

Em 20 de agosto e 5 de setembro de 1977 eram lançadas ao espaço pela NASA uma das mais importantes e longevas missões espaciais da história: o Programa Voyager.

734987

Sua origem remonta aos anteriores programas de exploração do Sistema Solar desenvolvidas pela NASA (National Aeronautics and Space Administration) através de sondas não tripuladas. O primeiro foi o Programa Pioneer contando com inúmeras missões entre 1958 e 1978, sendo as mais bem sucedidas as Pioneer 10 e Pioneer 11. Depois veio o Programa Mariner entre os anos de 1962 a 1973, sendo esse o primeiro programa espacial com o objetivo específico de explorar os planetas do Sistema Solar (inicialmente o objetivo das Pioneer era a Lua e somente depois se estendeu aos planetas externos). Contando com cinco missões e a utilização de dez sondas, o Programa Mariner conseguiu êxito em alcançar Vênus em 1962 com a Mariner 2, Marte dois anos depois com a Mariner 4 e finalmente Mercúrio em 1973 com a Mariner 10.

Foi pensando em dar continuidade ao Programa Mariner que a NASA traçou o objetivo de mais duas missões visando alcançar os planetas além do cinturão de asteroides entre as órbitas de Marte e Júpiter. Por ser um objetivo diferente da missão original, decidiu-se iniciar um programa totalmente novo, o qual acabou sendo designado Voyager.

wallup.net

Concepção artística de uma das sondas Voyager tendo ao fundo o Senhor dos Anéis: Saturno. Imagem do wallup.net

O Programa contou com duas missões distintas. Aproveitando um raro alinhamento entre os planetas exteriores que facilitaria o estudo de cada um deles com o uso da mesma nave, ao contrário dos programas anteriores, onde cada sonda era direcionada a um astro específico. Assim em 20 de agosto de 1977 foi lançada a Voyager 2, sendo sua missão principal visitar os gigantes gasosos Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, enquanto a Voyager 1, lançada em 5 de setembro, visitaria apenas Júpiter e Saturno, mergulhando logo após num longo voo até Plutão, sendo que objetivo final mudou no decorrer da missão. A diferença entre as missões foi proposital, fazendo com que percorressem trajetórias distintas, permitindo assim a uma das sondas atingir o distante Plutão, na época ainda considerado um planeta.

A diferença entre as trajetórias fez com que a Voyager 1, mesmo lançada depois, chegasse primeiro ao seu objetivo inicial, após uma jornada de quase dois anos. A 05 de março de 1979 a sonda alcançava seu ponto mais próximo do gigantesco Júpiter, podendo ser vista no vídeo logo abaixo. Tendo realizado uma série de fascinantes descobertas sobre o planeta e seus satélites, rumou na direção de Saturno, onde chegou em novembro de 1980 e, também aí, realizando descobertas impressionantes.

Embora houvesse muita curiosidade sobre as eventuais novidades sobre os anéis de Saturno (nisso não houve decepções), o mais impressionante foi identificar uma densa atmosfera ao redor de seu satélite natural Titã. Tão impressionante foi essa descoberta, que os cientistas da NASA optaram por mudar a trajetória da nave, levando-a a sobrevoar Titã. Devido a essa mudança de trajetória o próximo passo da missão (ir até Plutão) precisou ser abandonado. Somente em julho de 2015, com a sonda New Horizons o distante mundo congelado foi finalmente alcançado.

Seguindo os passos da irmã, a Voyager 2 chegou em Júpiter e em Saturno em 09 de julho de 1979 e 25 de janeiro de 1986. Em ambos foi capaz de fazer novas descobertas não registradas pela Voyager 1. Repetiu os feitos em sua passagem por Urano em janeiro de 1986 e Netuno em agosto de 1989, encerrando assim a missão programada.

voyager2-neptune

Concepção artística da Voyager fazendo seu sobrevoo sobre o gelado e distante planeta Netuno. Imagem do celestiaproject.net

Tendo boa parte de seus equipamentos ainda totalmente operacionais e capazes de enviar dados, o Programa Voyager iniciou uma longa viagem rumo aos confins do Sistema Solar. Sabendo que seu destino era se perder além dos limites de nosso próprio sistema, uma equipe da NASA liderada pelo brilhante e saudoso Carl Sagan teve a ideia de criar uma mensagem a ser acoplada às naves. Essa mensagem deveria falar um pouco sobre seus criadores e sobre o mundo de onde vinham. O destinatário? Uma possível civilização alienígena ou mesmo os próprios seres humanos, num futuro quando o segredo para se viajar pelas imensas distâncias do cosmo já tenha sido revelado.

O Golden Record foi criado com esse objetivo. Composto de um disco de cobre banhado a ouro, tem gravado nele os mais variados imagens e sons terrestres, incluindo saudações em 55 idiomas e uma coletânea musical de diferentes épocas e culturas, incluindo obras de Beethoven e Chuck Berry.

Voyager Golden record-Galeria do Meteorito

O Golden Record em imagem do Galeria do Meteorito

Sendo uma criança muito curiosa sobre o espaço, astronomia e crescendo em meados dos anos 80 e começo dos 90, as Voyager sempre exerceram um grande fascínio em minha vida. Perceber como os livros escolares de ciência e geografia eram atualizados de um ano para o outro por conta das novas descobertas era algo incrível. Foi quando pela primeira vez na vida eu percebi que estava vendo a história acontecendo. Lembro especialmente de comparar meus livros escolares com uma enciclopédia lançada poucos anos antes e perceber a diferença gritante no conteúdo. Informações como a existência de anéis em todos os gigantes gasosos por exemplo, eram inexistentes na enciclopédia, mas bem detalhadas no livro escolar.

Foi também graças a essa constante atualizações de informações que pude entender plenamente que a ciência não é algo estanque, imutável. É um crescendo de conhecer que nunca se esgota, sempre se renovando, se corrigindo e evoluindo. Entender isso ajudou na minha própria formação. Me ajudou a desenvolver um certo ceticismo, ao mesmo tempo que desenvolvia minha curiosidade em querer sempre aprender mais e mais.

Blog Mega Arquivo-voyager

A Voyager 1 em infográfico retirado do Blog Mega Arquivo

O Programa Voyager foi fundamental na evolução do nosso conhecimento sobre nosso próprio sistema estelar e do universo que habitamos. Não apenas por nos trazer lindas imagens nunca antes vistas de nossa vizinhança planetária, mas, especialmente, por nos mostrar o quão surpreendente o universo lá fora pode ser, lembrando a todos nós, a toda sociedade humana que a maior e melhor aventura de todas é o constante aprendizado.

A seguir copio alguns links legais e curiosidades para se aprender mais sobre o Programa Voyager e seus 40 anos de missão:

Curtiu o post? Está gostando do Habeas Mentem? Então comente aí, curta, compartilhe e não deixe de curtir também nossa fanpage!

Até mais!

5 CANAIS DO YOUTUBE QUE SIGO E RECOMENDO

YouTube_logo_2015.svg

No inicio do ano fiz uma postagem sobre cinco blogs que acompanho e recomendo. Já naquele post avisava sobre minha vontade de escrever, pelo menos, mais dois textos similares. Hoje, finalmente começo a pagar essa dívida.

Desde que descobri o Youtube, ele serviu principalmente como o lugar onde eu procurava videoclipes antigos, matava a saudade de algum desenho animado ou catava algum vídeo interessante para dar aquela animada nas minhas aulas de Geografia ou ainda nos temidos seminários na universidade. Até porque o próprio site ainda estava muito no começo e nem tinha tanto material assim, fosse ele interessante ou não.

Obviamente tudo isso mudaria com a compra do site pela gigante Skynet, digo, Google. Ganhando mais diversidade, o site cresceu não só na quantidade de vídeos postados, mas também em variedade, se tornando de fato uma versão em áudio e vídeo da internet tradicional. A especialização de determinados canais foi fundamental nesse quesito, ainda trazendo muito material bobinho e entretenimento passageiro e casual, mas com cada vez mais conteúdo interessante e instrutivo. Começava-se a descobrir o potencial do Youtube para os criadores de conteúdo.

De tutoriais sobre como consertar coisas e fazer maquiagens às dicas de moda, chegando aos canais de humor, cultura nerd e games, o Youtube hoje segue o exemplo de sua empresa mãe ao apresentar conteúdo sobre virtualmente qualquer coisa ou qualquer assunto. E assim como no caso dos blogs, tem muita coisa ruim e potencialmente perigosa, mas também tem muita coisa boa. Assim, procurei listar alguns desses canais que prezam por ser instrutivos e acessíveis, falando de ciências, história, música, audiovisual com uma qualidade técnica e um incrível conhecimento de causa.

Boa leitura!

1-Nerdologia

Nerdologia

“Sejam bem vindos ao Nerdologia”. Inicialmente um quadro do NerdOffice, no Jovem Nerd, é apresentado pelo Átila Iamarino, biólogo, pesquisador e trata de assuntos e temas científicos variados, sempre fazendo links com elementos da cultura nerd, com novos vídeos todas as quintas. A partir de 2016 o canal passou a contar com o segmento Nerdologia História, indo ao ar todas as terças, apresentado pelo Felipe Figueiredo, formado em História, colunista, podcaster, youtuber e professor, seguindo a mesma linha do programa original, mas com temas voltados para a história, além de um segmento voltado para tecnologia, o Nerdologia Tech, toda última quarta-feira de cada mês. É o canal mais conhecido da lista e um dos maiores do Brasil em se tratando de conteúdo científico e educativo com mais de um milhão de inscritos. Já o acompanho há muito tempo – sendo um dos primeiros canais no qual me inscreve no Youtube –, mantendo sempre a qualidade na maneira como trata dos assuntos, não raro melhorando até, como quando passou a inserir no final de cada vídeo um momento para responder comentários de vídeos anteriores ou corrigir alguma informação veiculada de maneira equivocada. Com quase 300 vídeos postados, é o canal que mais fortemente recomendo para você assinar e assistir.

2-Poligonautas

Poligonautas

“SCALOBALOBA!” Iniciando com o seu famoso bordão (retirado do que se acreditava ser o refrão da canção Boombastic, sucesso dos anos 90), o Schwarza apresenta o canal Poligonautas, que, no seu início, em parceria com o OOataHeLL, falava mais sobre o universo gamer. Atualmente, no entanto, se dedica a falar sobre ciência e filosofia com destaque especial aos temas relacionados à astronomia, tendo agora apenas o Schwarza a frente, com vídeos de segunda a sexta. Além de se dedicar na divulgação científica, o grande mérito do canal é o de desmitificar lendas e teorias conspiratórias populares na internet, através de explicações cientificas cheias de bom humor e muita clareza no segmento “Lenda ou Fato”. Você acredita em Nibiru, que a Terra é plana ou em aliens vivendo dentro do Sol? Então é melhor dá uma olhada no canal para entender porque tudo isso é conto da carochinha. Igualmente interessantes são os vídeos do segmento “5 Vídeos Sobre Ciência” que, como o próprio nome entrega, traz cinco breves vídeos atuais ou curiosos sobre ciência, sempre encerrando com uma análise mais filosófica, em geral com base em alguma imagem do espaço profundo capturada pelo telescópio espacial Hubble. É o canal que mais assisto, não só por ser praticamente diário, mas também pelo formato curto dos vídeos, quase nunca com mais de cinco minutos.

3-Ponto em Comum

Ponto em Comum

“Olá, criaturas da internet!” Apresentado pelo simpático Davi Calasans, o Ponto em Comum se destaca por tratar dos mais variados assuntos científicos com uma leveza e simplicidade sensacionais, contando sempre com a ajuda dos Hugobertos (talvez sejam parentes meus distantes) e dos comentários sempre pertinentes (sqn) de Miguel, o Tiranossauro. O canal tem uma pegada bem ao estilo do programa O Mundo de Beakman, tanto pelo visual como na maneira lúdica e descontraída de apresentar e explicar os temas de cada terça-feira. O próprio Miguel seria o equivalente ao rato Lester com suas observações baseadas no senso comum. Com toda essa leveza o canal é excelente para ser assistido por pessoas de qualquer faixa etária, sendo perfeito para uso em escolas.

4-República do KazaGastão – KZG

KazaGastão

Com o fim da MTV Brasil muitos de seus apresentadores e programas migram para o Youtube a exemplo do João Gordo e do grupo Hermes e Renato. Famoso por manter a pegada Rock’n’Roll na emissora com os programas Gás Total e Fúria Metal, o apresentador Gastão Moreira seguiu o mesmo caminho com a República do KazaGastão (apesar de ter saído da MTV em 1998 para apresentar o Musikaos na TV Cultura), apresentando vídeos com antigas entrevistas e reportagens não apenas da época de MTV, como atuais também, além do segmento que considero a melhor coisa do canal: o “Heavy Lero” contando com a presença de Clemente Nascimento, baixista da banda paulista de punk Inocentes. Nesse segmento, a dupla apresenta breves resumos de bandas, artistas e cenas musicais de maneira descontraída, mas com bastante propriedade e cheia de informações interessantes. O imenso conhecimento musical do Gastão ajuda a tornar o canal um dos melhores e mais informativos sobre música do Youtube. “Sensacional, Clemente!”

5-Entre Planos

Entre Planos

Sou fã de cinema desde muito pequeno. Mas depois de adolescente, comecei a me interessar pelos aspectos técnicos da sétima arte, a partir do meu interesse por fotografia. Desde então, sempre que tenho oportunidade, faço questão de consumir tudo sobre o tema. E foi assim que descobri o canal do Max Valarezo, um jovem estudante de Comunicação Social com um conhecimento invejável tanto sobre os aspectos técnicos como sobre a história do cinema. Aliás, conhecimentos esses muito bem utilizados nos vídeos postados. Apesar de todos os vídeos aqui listados serem impecáveis do ponto de vista técnico, considero o EntrePlanos, junto com o Nerdologia, o mais profissional de todos. E mesmo conhecendo o canal há pouco menos de dois meses já é um dos meus preferidos muito devido a essa qualidade. “Então é isso”: graças ao canal pude aprender de maneira muito didática vários conceitos, aspectos e técnicas cinematográficas, algumas delas eu até já conhecia, mas em artigos extremamente técnicos e complicados de se entender.

*  *  *

Assim como no caso dos blogs esses são apenas alguns dos canais que eu curto. No caso os que acompanho verdadeiramente. Existem outros ainda que são tão bons quanto mais que, por um motivo ou outro não tenho como acompanhar tão de perto. Esses deixarei para uma próxima postagem.

Se você curtiu o post e tá gostando do Habeas Mentem, comente, curta, compartilhe e não deixe de curtir também nossa fanpage!

Até mais!

92-JOURNEY TO THE CENTRE OF THE EARTH

ArticleSharedImage-59922

Journey To The Centre Of The Earth – Rick Wakeman

Artista: Rick Wakeman

Músicos Integrantes: Rick Wakeman (sintetizadores e teclados); Gary Pickford-Hopkins e Ashley Holt (vocais); David Hemmings (narrador); Mike Egan (guitarras); Roger Newell (baixo); Barney James (bateria); The London Symphony Orchestra; The English Chamber Choir; David Measham (maestro e condutor); Wil Malone e Danny Beckerman (arranjos para orquestra e coro)

Gravação: Royal Festival Hall, Londres, Inglaterra, 18 de janeiro de 1974

Lançamento: 18 de maio de 1974

Duração: 40m09s

Arranjos: Danny Beckerman e Wil Malone

Produção: David Hemmings

Sobre o disco:

Noite de 18 de janeiro de 1974. Na plateia do Royal Festival Hall de Londres o público ruidoso observava com certa curiosidade a Orquestra Sinfônica de Londres e o Coral de Câmara Inglês lado a lado com uma moderna banda com guitarras, baixos elétricos e bateria. No centro do palco, ao lado do maestro, um impressionante conjunto de teclados e sintetizadores parecia também aguardar. Havia uma certa expectativa dúbia no ar sobre o que sairia daquela mistura inusitada entre música clássica, rock progressivo e literatura.

De repente o burburinho muda de tom, parece ceder um pouco. É que entrou no palco a nada discreta figura de Rick Wakeman, os seus longos cabelos loiros caídos por cima da capa prateada que chega aos pés. Após agradecer com um breve galanteio os aplausos costumeiros, Wakeman assume seu lugar ao centro dos teclados. Seguindo a programação impressa num bem acabado livro entregue a todos na plateia, são executadas as peças “Sinfonia Nº 1 in D Minor – Opus 13”, de Rachmaninov, seguido pelas peças de autoria do próprio Wakeman (de seu disco solo anterior The Six Wives of Henry VIII) “Catherine Parr”, “Catherine Howard”, “Anne Boleyn” e dois improvisos, tem início a peça principal: The Journey To The Centre Of The Earth!

article-1045969-02244DED00000578-634_468x547

Rick Wakeman e seu nada discreto modo de se vestir. Imagem do Daily Mail

Conhecido pela megalomania e por ser um dos egos mais inflados do rock (ou mesmo da música), Wakeman começou a idealizar o que viria a se tornar The Journey, após o Yes, banda na qual entrara em 1971 e ajudara na evolução de sua sonoridade, lançar em 1973 a obra Tales From Topographic Oceans. Praticamente uma obra exclusiva das mentes criativas de Steve Howe e Jon Anderson (respectivamente guitarrista e vocalista do Yes), a crítica se derretia em elogios aos dois, enquanto Wakeman se sentia preterido na banda. Mas, tendo uma boa recepção de seu trabalho solo, lançado também em 1973, The Six Wives of Henry VII, o talentoso tecladista de formação clássica começou a rascunhar um material ambicioso. Seu objetivo: mostrar que os elogios recebidos no trabalho solo não eram a toa e provar todo seu talento, muito maior que todo o Yes. Traduzindo: Wakeman queria uma mega massagem no seu já enorme ego ao mesmo tempo em que dava uma resposta aos seus colegas músicos!

A ideia original apresentada à gravadora era a de um disco duplo com uma única canção contando a história do clássico do autor francês Júlio Verne. A obra contaria com a participação de um coral e orquestra e o disco ainda traria um luxuoso livreto contendo gravuras e a letra da canção. No entanto a ideia foi vetada de cara, pois seu custo seria exorbitante. Depois de algumas idas e vindas, o projeto foi aprovado desde que fosse reduzido a um disco simples e com a gravação ocorrendo ao vivo, com a venda de ingressos para ajudar a pagar os custos, além de diminuir as horas de estúdio.

A apresentação foi um grande sucesso e Wakeman voltou às exigências: agora, além de novamente pedir novamente o livro de ilustrações, ele queria o disco lançado na forma quadrifônica. Como se não fosse o bastante passou a cogitar a hipóteses de excursionar levando todo o complexo conjunto de músicos envolvidos no projeto, algo extremamente caro e, obviamente vetado pela gravadora. Por essa época, Wakeman já tinha ganho um bom dinheiro com a turnê bem sucedida do disco Tales From Topographic Oceans ainda com o Yes. Encerrada a turnê, ele sai da banda e concentra todos os seus esforços no disco. Depois de apelar para o braço norte-americano da gravadora, Journey To The Centre Of The Earth foi lançado em maio de 1974 contendo apenas duas faixas no lado A (“Journey” e “Recolletion”) e duas no lado B (“The Battle” e “The Forrest”). Para alegria de Wakeman o disco acabou saindo em duas versões: uma de gravação normal e a outra na desejada forma quadrifônica, sendo essa última extremamente rara hoje em dia.

rick02

Rick Wakeman em seu ambiente: cercado de teclados e sintetizadores

O sucesso da obra foi imediato alcançado o topo das paradas britânicas e norte-americanas vendendo ao todo até hoje mais de 14 milhões de cópias. Todo esse sucesso só serviu para alimentar a já bem nutrida megalomania de Wakeman, que passou a investir pesado na Journey Tour, iniciando pela América do Norte e passando pela Europa Ásia e Japão. Para se ter uma ideia da grandiosidade dessa turnê, em 1975 Journey foi apresentado em uma série de shows no Brasil, como parte do Projeto Aquarius promovido pelo O Globo. Para esse shows foram trazidos ao país cerca de 18 toneladas de equipamentos para os diversos e, até então, extraordinários efeitos sonoros e visuais, além de contar com uma equipe de 70 pessoas nos bastidores! Só a mesa de som utilizada trabalhava com 285 canais. O Maracanãzinho no Rio de Janeiro, o Ginásio da Portuguesa em São Paulo e o Gigantinho em Porto Alegre receberam cada qual mais de 50 mil expectadores.

Perfeccionista, Wakeman fazia questão de que seu público, independente de língua, pudesse ter uma apreciação plena da execução da obra. Assim sempre era contratado um narrador na língua local para as partes textuais. Orquestras locais também eram contratadas, pois ficaria ainda mais oneroso bancar os gastos de transporte, hospedagem de uma orquestra completa, mais os músicos da banda. No Brasil, os shows de São Paulo e Rio de Janeiro contaram com Orquestra Sinfônica Brasileira, enquanto no Rio Grande do Sul a Sinfônica de Porto Alegre foi a contratada, tendo sempre na regência o consagrado maestro Isaac Karabtchevsky, completados pelo Coral da Universidade Gama Filho.

Rick Wakeman Maracanazinho O Globo.jpg_20120907

Durante o show no Maracanãzinho lotado em 1975. Imagem do O Globo

O Mago dos Teclados, como Wakeman é conhecido, lançou muita coisa boa depois de Journey, intercalando sua carreira em retornos ao Yes (lançando o excelente Going for the One em 1977) e trabalhos solos (com The Myths and Legends of KinG Arthur and the Knights of the Round Table de 1975, nos mesmos estilo de Journey, cuja turnê, ainda mais grandiosa, quase levou a gravadora a falência). Ainda assim, nenhum desses discos alcançou o sucesso alcançado aqui.

Journey To The Centre Of The Earth é dos discos que mais me surpreenderam positivamente nessa lista, sendo também um dos que mais escuto. Particularmente considero sua introdução uma das coisas mais bonitas que já ouvi na música. A ousadia do Mestre dos Teclados foi compensada com a excelência com que a obra é executada pelos competentes músicos, tanto os da The London Symphony Orchestra (como era de se esperar) como os de sua banda a English Rock Ensemble, refletida na excelente gravação ao vivo. O resultado é um dos discos mais interessantes, originais e bonitos da história do Rock, merecendo com honras sua nonagésima segunda posição.

Infelizmente não encontrei nenhum registro da apresentação original ocorrida em janeiro de 1974. Também achei muito difícil achar um bom vídeo mostrando Wakeman, banda, orquestra e narrador para ilustrar como deve ter sido aquela apresentação no Royal Festival Hall. No entanto acabei topando com esse vídeo abaixo de “The Battle”, que, apesar de estar sem data de quando ocorreu, claramente é bem próximo da data da execução original.

E quando já finalmente estava finalizando esse texto para sua publicação, acabei topando com essa gravação da parte inicial “Journey” em apresentação de 30 de março de 2014 no Royal Albert Hall. Embora seja amadora, a qualidade de som e imagem é excelente.

Gostou do texto? Está gostando do Habeas Mentem? Então fique a vontade para comentar, curtir e compartilhar! E não deixe de curtir também nossa fanpage! E se quiser conferir os outros textos da série clique no link a seguir: 100 Melhores Álbuns de Rock.

Até mais!